Video produzido para o projeto Vencendo o Silêncio

Video produzido pela Studio Arts Design

Anúncios

CCJ da Câmara aprova aumento de número de vereadores no país

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara aprovou nesta quarta-feira relatório do deputado Flávio Dino (PC do B-MA) favorável à promulgação do aumento imediato do número de vereadores no país –dos atuais 51.748 para 59.791, conforme prevê a chamada PEC dos Vereadores.

CCJ da Câmara dos Deputados aprova aumento de número de vereadores no país
CCJ da Câmara dos Deputados aprova aumento de número de vereadores no país

O parecer da comissão será submetido ao plenário, podendo ser aprovado por maioria simples (metade mais um dos presentes). Neste caso, a Câmara fica obrigada a promulgar a PEC. Entretanto, esse assunto só será levado ao plenário da Câmara depois que o Senado se manifestar sobre os gastos das Câmaras municipais.

Em dezembro passado, o Senado aprovou a proposta, originária da Câmara, mas retirou do texto o limite de gastos com as Câmaras municipais. A Mesa da Câmara decidiu, então, não promulgar a proposta, por entender que o texto havia sido modificado de forma substancial.

A decisão da Mesa foi questionada pelo deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que apresentou recurso para que a CCJ se manifestasse.

Dino argumentou que os dois temas –aumento na quantidade de vereadores e redução de despesas das Câmaras municipais– são “dissociáveis”, o que obrigaria a Câmara a promulgar o que foi aprovado pelo Senado.

“A decisão da CCJ, na prática, foi um golpe, porque obriga a Câmara a aprovar com maioria simples [no caso do relatório de Flávio Dino], o que deveria ser analisado com quorum qualificado [3/5 dos deputados, conforme a tramitação de PECs]”, afirmou o deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP).

Licitação para prefeitura


Um prefeito queria construir uma ponte e chamou três empreiteiros:

um japonês, um americano e um brasileiro

– Faço por US$ 3 milhões – disse o japonês:
– Um pela mão-de-obra.
– Um pelo material.
– E um para meu lucro.

– Faço por US$ 6 milhões – propôs o americano:
– Dois pela mão-de-obra.
– Dois pelo material.
– E dois para mim mas o serviço é de primeira!

– Faço por US$ 9 milhões – disse o brasileiro.
– Nove paus? Espantou-se o prefeito. Demais! Por quê?
– Três para mim.
– Três para você.
– E três para o japonês fazer a obra.
– Negócio fechado! Respondeu o prefeito.

Brasil, um país de todos.

Ban Ki-moon conclama Netanyahu a trabalhar pela criação de um Estado palestino

Secretario Geral da ONU

Secretario Geral da ONU

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, conclamou o novo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a trabalhar pela criação de um Estado palestino, declarou nesta quarta-feira sua assessoria em comunicado.

“O secretário-geral saúda a formação de um novo governo em Israel, e está ansioso para trabalhar com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sobre a totalidade das questões ligadas à paz e à segurança na região”, diz o comunicado.

“Isso inclui a retomada do processo de paz no Oriente Médio, com como principal objetivo a criação de um Estado palestino independente e viável vivendo lado a lado e em paz com um Estado de Israel seguro”, destaca o texto.

Cantora diz que tem orgasmos so de pensar

Orgasmos so de pensar

Orgasmos so de pensar

A nova sensação do pop americano, Lady GaGa, 23 anos, cujo nome real é Stefani Germanotta, falou sobre sexo e sobre o pedido bizarro de um fã, em entrevista à revista New York.

“Adoro sexo”, afirmou a cantora. “A nossa memória é uma coisa maravilhosa, consigo ter orgasmos só de pensar em fazer sexo”.

Sobre os fãs, Lady GaGa conta que já passou por situações curiosas. “Uma vez, em um bar gay, autografei o pênis de um rapaz”, ri a cantora, bissexual declarada.

Atualmente a cantora promove seu disco The Fame, que está entre os 10 mais vendidos dos EUA.

Fonte: Portal o Tempo

Presidente Lula abandona almoço para não ficar ao lado de ditador; Kadafi sai, quando Lula começa a falar

Foi marcada por constrangimento a participação do presidente Lula na cúpula entre países árabes e sul-americanos, em Doha, no Qatar. Em almoço oficial para os líderes da cúpula, o presidente Lula não perdeu tempo ao perceber que seria colocado ao lado de Omar al-Bashir, o presidente do Sudão e que foi indiciado pelo Tribunal Penal Internacional por crimes de guerra e contra a Humanidade. Lula comeu apenas a entrada e, ao ver a chegada do presidente do Sudão, levantou-se, cumprimentou-o brevemente e alegou que precisava sair para atender a uma ligação. Não voltou. O Itamaraty garante que Lula não trocou uma palavra sequer com o líder sudanês. Oficialmente, o Palácio do Planalto alega que o presidente Lula queria descansar. Mais tarde, em outro momento tenso da cúpula, o presidente da Líbia, Muamar Kadafi, se levantou e abandonou a sala assim que Lula começou o seu discurso. Kadafi deixou Doha sem dar explicações.