Zé Dirceu: Sanha antigoverno do Globo não tem limites

Publicado no site do ex-ministro José Dirceu:

Ex.ministro José Dirceu

Na aberta campanha movida contra o governo Lula, intensificada nos últimos dias, ao mesmo tempo em que se empenha em ajudar a oposição, particularmente o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o jornal dos Marinhos, O Globo, do Rio, não tem limites.

Diante da estratégia que será seguida pela candidata do presidente, do PT e aliados, Dilma Rousseff, de comparação entre os governos FHC x Lula na campanha eleitoral, o jornal apressou-se a fazer ele próprio esse trabalho. Claro que distorcendo tudo a favor dos tucanos e de FHC.
Na edição de ontem arrumaram vários “especialistas” para defender a tese do jornal e dos tucanos de que a comparação só pode ser feita se for levado em conta o “contexto” em que cada governo se desenvolveu e que portanto não deve ser feita se referindo-se a contextos diversos. Hoje utilizam a manchete “No mesmo campo”, colocada na 1ª página, para dizer que “Lula não faz mais do que FH na reforma agrária”.
Não é fato. Além de ter assentado 40 mil famílias a mais que o período FHC, na reforma agrária e na agricultura familiar, batemos de 10 a 0 nos tucanos, não apenas pelo aumento do crédito – multiplicado seis vezes, de R$ 2,5 bi no último ano de tucanato para R$ 15 bi atualmente – mas em todas as demais medidas atinentes às duas áreas.

Preso à sua sanha antigoverno, O Globo está atrasado em relação aos acontecimentos e consegue ser mais reacionário do que o Estadão. Enquanto este diz hoje que já estão em discussões mudanças “para retirar viés estatizante ” do programa de governo de Dilma, o jornalão carioca diz que essa tendência está reforçada no futuro programa da futura administração.

Temos aí, então, O Globo em sua prática de jornalismo de mentira, de manipulação dos fatos e informações, fazendo política barata, de província, partidária, um jornal transformado em panfleto ideológico e num boletim de um grupelho político.

Globo X Record: uma guerra privada com armas públicas

A Globo, por sua vez, ataca o sistema nervoso da segunda maior emissora, os
incontáveis problemas da Igreja Universal do Reino de Deus.

Por Rodolfo Viana

Não há mocinhos em nenhum dos lados da recente briga entre a TV Globo e a
Rede Record de Televisão. Também não há mentiras nos ataques de uma contra a
outra: os Marinho sempre tiveram uma relação espúria com o poder e a Record,
uma interação promíscua com a Igreja Universal do Reino de Deus. Mas o
problema central nessa guerra é que estão guerreando com armas alheias.
Estão guerreando com armas públicas.

É ingenuidade de pouco eco crer que não existem interesses econômicos e
ideológicos guiando os grandes grupos de comunicação do país. A comunicação
de massa tem papel estratégico na organização social e criação de valores e
a informação também sofre diversos tipos de manipulações, das mais
explícitas – edições de texto/imagens, escolha das fontes, qualificações –
às mais sutis – o que é silenciado, o “tom” sobre o informado, as relações
de uma notícias com outra, a ordem de apresentação.

É por isso que a luta pela democratização da comunicação não se restringe à
criação de normas de conduta ao jornalismo hoje praticado, buscando a
isenção e objetividade. Essa luta tem de visar a possibilidade de
multiplicação de vozes, a multiplicação do que é informado e como é
informado, permitindo ao cidadão obter mais dados sobre uma determinada
realidade para que, com eles, forme seu juízo. Com o monopólio ou oligopólio
da informação, restringem-se as versões da realidade, orientando visões de
mundo.

Qual o problema, então, com a recente disputa entre a Rede Globo e a Rede
Record? Esta última está expondo a milhões de telespectadores informações
que antes só eram conhecidas de um grupo restrito sobre a tenebrosa história
da maior emissora do país. A Globo, por sua vez, ataca o sistema nervoso da
segunda maior emissora, os incontáveis problemas da Igreja Universal do
Reino de Deus. O conflito quebra um tácito pacto de não agressão entre os
poderosos, e mais informações são disponibilizadas ao público. Quando dois
gigantes brigam, os pequenos podem tirar proveito, imagina-se.

Só que esta “guerra” escancara de uma forma sem precedentes uma prática
ilegal e imoral: os interesses privados estão sendo defendidos com armas
públicas, as concessões de TV entregues aos Marinho e a Edir Macedo. Ao
lançarem mão destas “armas”, comprometem a função social dos meios de
comunicação e, mais, infringem normas de utilização de uma concessão pública
de radiodifusão.

Diferentemente de um jornal impresso, que é privado e responde atualmente
somente às leis dos códigos Civil e Penal (já que não existe mais a Lei de
Imprensa…), as emissoras de televisão operam por meio de concessões
públicas e, como tais, estão obrigadas a cumprir determinações legais para o
seu funcionamento. Não podem fazer o que bem entender com a sua programação,
uma vez que só possuem o direito de chegar aos lares de praticamente todos
os brasileiros porque o Estado brasileiro, em nome do povo, as tornou
concessionárias públicas de radiodifusão.

Portanto, não importa quem tem razão nessa guerra privada entre Globo e
Record. As duas cometem um gravíssimo erro ao utilizar a arena pública da
radiodifusão de forma privilegiada para travarem as batalhas privadas que
lhes interessam. A Rede Globo, caminhando por mais anos nessa estrada, tem
mais expertise. Seus interesses são mais bem travestidos de “notícias”
relevantes apresentadas à sociedade nos seus telejornais. A Record peca por
um amadorismo tacanho, com a edição de “reportagens” em que nem sequer se
preocupam em fazer a clássica divisão da objetividade aparente entre
“opinião” e “informação”.

Mas não importa o nível de sofisticação de cada uma delas. A disputa Globo x
Record é a mais recente e nítida apropriação do público pelo privado.

Em tempo: nestes mesmos dias de “guerra” entre as duas maiores emissoras de
TV do país, os representantes dos empresários da área de comunicação se
retiraram da comissão organizadora da I Conferência Nacional de Comunicação.
A Conferência, prevista para ocorrer no final desse ano, visa a ser um amplo
espaço de debate e deliberação sobre temas da área, incluindo as formas de
concessão e renovação de espectros de radiodifusão, conteúdo e programação,
publicidade etc.

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) foi uma
das entidades que se retiraram do processo. Mais do que isso, foi a entidade
que liderou o movimento de esvaziamento da Conferência pelo empresariado.

A Rede Globo e a Rede Record são associadas da Abert. Estão, portanto, do
mesmo lado quando a tarefa é sufocar a justa reivindicação do direito de a
sociedade brasileira discutir a comunicação.

Malandro é o gato que já nasce de bigode… (Observatório do Direito à
Comunicação)

Rodolfo Viana é jornalista e membro do Intervozes – Coletivo Brasil de

 

Globo X Record; precisamos de uma CPI da mídia

"A lavagem de roupa suja entre as duas maiores emissoras do país […] cria a oportunidade ideal para as forças organizadas da sociedade, engajadas na luta pela democratização da comunicação, também exigirem a instalação de uma CPI para averiguar tais irregularidades", escreve Altamiro Borges em seu blog.* Confira a íntegra

A “guerra nada santa” travada entre as TVs Globo e Record comprova que existe algo de muito podre no reino dos poderosos e impenetráveis impérios midiáticos do país. Os barões da mídia, por razões políticas e na busca por audiências sensacionalistas, adoram impor a instalação de Comissões Parlamentares de Inquéritos. A “presunção de culpa” se sobrepõe à “presunção da inocência”, inscrita na Constituição, e reputações são jogadas na lata de lixo da noite para o dia. A agenda política fica contaminada pelo denuncismo vazio, que rende pontos no Ibope e novos anunciantes, e que ofusca o debate sobre os problemas estruturais da democracia brasileira.
O processo sui generis de concentração da mídia nativa e sua alta capacidade de manipulação de corações e mentes são, de fato, graves atentados à democracia. A lavagem de roupa suja entre as duas maiores emissoras do país, num caso inédito de transparência no setor, revela que há muito a se apurar sobre a ditadura midiática.
Ela cria a oportunidade ideal para as forças organizadas da sociedade, engajadas na luta pela democratização da comunicação, também exigirem a instalação de uma CPI para averiguar tais irregularidades. Impõe a vários parlamentares, hoje alvos da fúria midiática, uma revisão deste poder descomunal. E não faltam motivos para esta justa demanda.

A sensível questão religiosa
Liderando uma “cruzada” que reúne os jornalões Folha e Estadão e a revista Veja, a Rede Globo tem exibido para milhões de telespectadores várias denúncias contra a sua principal concorrente. Com base numa denúncia do Ministério Público de São Paulo contra Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), a TV Globo tem apresentado exaustivamente matérias que comprovariam formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito. Willian Bonner e Fátima Bernardes, o casal-âncora do Jornal Nacional, o noticiário de maior audiência no país, não se cansa de mostrar os vínculos entre o Edir Macedo e a Rede Record.
As reportagens globais também procuram explorar a sensível questão religiosa, acusando a Iurd, que possuí 8 milhões de fiéis no Brasil e igrejas espalhadas por 174 países, de desviar dinheiro das doações para compra de imóveis suntuosos, carros importados e emissoras de rádios e TV. “Edir Macedo deu outro destino ao dinheiro doado à Igreja Universal”, acusou Fátima Bernardes no Jornal Nacional. Com várias imagens das pregações feitas nos cultos, a TV Globo insiste que “a religião é apenas um pretexto para a arrecadação de dinheiro”. Os ataques são duros e diários.

Golpismo e irregularidades
Como resposta, a TV Record tem exibido para milhões de brasileiros inúmeros fatos irrefutáveis que só uma minoria conhecia. Aproveitando-se da vulnerabilidade política da concorrente, ela mostrou que a Rede Globo é cria da ditadura militar e que construiu seu império graças ao apoio decidido dos generais golpistas. Celso Freitas e Ana Paula Padrão, os âncoras do Jornal da Record, que já estiveram do outro lado do front, lembraram as fraudes para impedir a vitória de Leonel Brizola ao governo do Rio de Janeiro, as manobras para esvaziar a mobilização popular pelas Diretas-Já, a fabricação do “caçador de marajás” e as várias investidas para desestabilizar o governo Lula.
Mas a TV Record não ficou somente no campo da política – como a concorrente também não se limitou à discussão religiosa. Ela também apresentou inúmeras denúncias de irregularidades. Já na sua origem, o acordo misterioso com a empresa estadunidense Time-Life, numa transação que era proibida pela lei brasileira e que rendeu milhões de dólares à TV Globo. Depois, na aquisição suspeita da TV Paulista, num negócio com documentos falsos. O ex-ministro das Comunicações, Euclides Quandt de Oliveira, também garantiu numa entrevista que a Globocabo contraiu empréstimos irregulares na Caixa Econômica Federal e no BNDES, em 1999, no valor de R$ 400 milhões. Outra bomba foi a denuncia de que a TV Globo ocupa um terreno da Secretaria de Planejamento de São Paulo, numa relação promíscua com o governo tucano de José Serra.

Apuração rigorosa das denúncias
Como se observa, as denúncias de ambos os lados são graves e exigem rigorosa apuração. Em função da “guerra nada santa” entre as duas principais emissoras de televisão do Brasil, o tema hoje está na boca do povo – o que é saudável para a democracia.
Uma Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a mídia contribuiria para investigar a veracidade dos fatos. Além disso, a CPI seria uma importante alavanca para o debate sobre a urgência da democratização dos meios de comunicação no país. Afinal, as emissoras privadas usufruem de uma concessão pública. Elas não podem ficar acima das leis, da Constituição e da Justiça.