Lula dá recado a prefeitos: ‘Vamos ter de apertar os cintos’

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou nesta segunda-feira, 6, no município mineiro de Montes Claros, que as prefeituras assumam sua parcela de sacrifício na queda de arrecadação da União em razão da crise financeira internacional. Porém, Lula reconheceu que desonerações tributárias feitas pelo governo federal atingem mais os Executivos municipais e reiterou que um grupo interministerial foi criado para estudar medidas de auxílio a prefeituras e a Estados que "estão mais no sufoco". "Todos nós vamos ter de apertar o cinto, mas nenhum de nós vai morrer na seca como os municípios brasileiros já morreram durante tanto e tanto tempo", disse.

Prefeitos da região do área mineira da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) – cuja reunião de seu Conselho Deliberativo será realizada ainda hoje em Montes Claros – cobravam um encontro com o presidente. Lula afirmou que irá recebê-los, mas alertou: "Vamos prestar atenção numa coisa: com a crise, caiu a arrecadação do governo federal, cai a arrecadação do governo estadual e cai a arrecadação das prefeituras, isso é verdade", disse ele, durante discurso da inauguração da terceira usina de biodiesel da Petrobras, batizada de Usina de Biodiesel Darcy Ribeiro.
"Imaginem vocês as mães nossas colocando feijão no fogo para cinco pessoas e de repente chegam dez. Ou seja, todos nós vamos ter de comer a metade do que estava previsto." Segundo Lula, o importante "é que cada prefeito, cada governador e cada ministro saiba que reduziu a receita". "Reduzindo a receita, vai reduzir a distribuição", afirmou.

Protesto
A Associação Mineira dos Municípios (Amis) promete no próximo dia 15 uma manifestação para protestar contra a diminuição de repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), devido à queda das receitas da União. A entidade, que representa as 853 prefeituras de Minas Gerais, está convocando as prefeituras do Estado para que nesse dia suspendam o funcionamento de suas sedes e mantenham apenas os serviços básicos de saúde e educação.

 

EDUARDO KATTAH E CHRISTIANE SAMARCO – Agencia Estado

Anúncios