Pesquisa pelo governo de minas aponta Helio Costa na dianteira

Saiu uma nova pesquisa eleitoral em Minas Gerais. Foi feita pelo DataTempo/CP2. Ganhou as páginas do diário mineiro ‘O Tempo’. A sondagem indica que Hélio Costa (PMDB) mantém o favoritismo na briga pelo governo do Estado. O ministro das Comunicações lidera em todos os cenários. Está à frente dos dois nomes do PT –Fernando Pimentel e Patrus Ananias. Antonio Anastasia (PSDB), o preferido do governador Aécio Neves, é o lanterninha. A pesquisa testou também as chances eleitorais do vice-presidente José Alencar (PRB). Se fosse à disputa como único representante do bloco que gravita em torno de Lula, sem PMDB e PT, Alencar também bateria o indicado de Aécio. Vão abaixo os cenários: Cenário um: – Hélio Costa: 47,83% – Patrus Ananias: 14,92% – Antonio Anastasia: 11,65% Cenário Dois: – Hélio Costa: 48,36% – Fernando Pimentel: 15,98% – Antonio Anastasia: 11,89% Cenário três, sem candidato do PT: – Hélio Costa: 57,94% – Antonio Anastasia: 15,69% Cenário quatro, com Alencar e sem nomes de PT e PMDB: – José Alencar: 53,61% – Antonio Anastasia: 14,53%. A pesquisa inclui, de resto, dois cenários em que os nomes do PT são confrontados com o de Anastasia, sem Hélio Costa e sem Alencar. Fernando Pimentel, o ex-prefeito petista de Belo Horizonte, prevaleceria sobre o candidato de Aécio por 35,47% a 24,40%. Patrus Ananias, o ministro petista do Bolsa Família, derrotaria o tucano Antonio Anastasia por 33,78% por 20,02%. O levantamento foi feito entre os dias 12 e 18 de fevereiro. Ouviram-se 2.078 pessoas. A margem de erro é de 2,15 pontos percentuais. Donos de índices confortáveis de aprovação em Minas, Aécio Neves e Lula tem praticamente o mesmo poder de influência sobre o eleitor do Estado. Os pesquisadores perguntaram o que faria o eleitor se Lula pedisse para votar num candidato ao governo de Minas -24,30% responderam que “com certeza” votariam no candidato do presidente. Outros 31,57% disseram que o apoio de Lula ajudaria, mas não seria decisivo na hora de fazer a opção por um dos candidatos. Somando-se os dois percentuais, conclui-se que 55,87% dos eleitores mineiros admitem que a opinião de Lula tem ou pode ter influência na hora de votar. E quanto a Aécio? 21,90% disseram que votariam no indicado do governador “com certeza”; 32% responderam que a opinião do governador os ajudaria a decidir, mas não seria decisiva. Ou seja, 53,90% admitem que vão ou podem vir a se guiar pela opinião de Aécio. A pesquisa permite tirar pelo menos quatro conclusões: 1. O PMDB vai reforçar na negociação da aliança pró-Dilma a exigência de que o PT nacional retire do caminho de Hélio Costa os petistas Pimentel e Ananias. A pesquisa indica que, aos olhos de hoje, Hélio Costa iria à campanha com potencial para levar o governo do segundo maior colégio eleitoral do país no primeiro turno. 2. José Alencar emerge da pesquisa como algodão entre os cristais do PMDB e do PT. Revela-se uma grande alternativa pacificadora. Há, porém, pelo menos um senão: a família de Alencar torce o nariz para a idéia de vê-lo no centro do ringue. Prefere que ele se concentre na luta contra o câncer. 3. Se quiser eletrificar Anastasia, Aécio Neves terá de trabalhar como um mouro. O prestígio do governador é alto. Mas não serviu, por ora, para iluminar o seu poste. 4. As perguntas sobre o poder de influência de Lula e Aécio junto ao eleitor restringiram-se à disputa para o governo mineiro. Porém… Porém, pode-se intuir que a dupla influirá também na opção dos mineiros em relação à refrega presidencial. Bom para Dilma Rousseff, cujo cabo-eleitoral desfruta, em Minas, da mesma capacidade de fazer a cabeça do eleitor exibida por Aécio. Com uma vantagem: sabe-se que Lula é Dilma 100%. Não há a mesma certeza em relação ao grau de envolvimento de Aécio na campanha de José Serra. Nesta semana, a propósito, de volta de uma licença de 11 dias, Aécio deve receber um telefonema de Serra. Deseja vê-lo, para um acerto de ponteiros.

Patrus defende palanque único para a candidata do PT no Estado

O PMDB entende que o projeto nacional passa pelo nome do ministro Hélio Costa como cabeça de chapa em Minas. Existiria até um acordo entre os partidos nesse sentido. “O PMDB não abre mão da cabeça de chapa em Minas. Essa é a única condição trabalhada para o ministro Hélio Costa. Agora, queremos o apoio do PT. Afinal de contas, sabemos a importância do PT na eleição contra o candidato do governador Aécio Neves”, assegurou o líder do PMDB na Câmara Federal, deputado Henrique Eduardo Alves (RN).

Patrus Ananias

Diante da perspectiva de transferência dos votos de Aécio para o vice-governador Antônio Anastasia, pré-candidato tucano ao Governo, os partidos das base aliada do presidente Lula devem cumprir o que foi negociado para cada Estado. E, para Minas, de acordo com Alves, caberá como opção preferencial no PT o projeto nacional, mantendo a legenda no comando do Palácio do Planalto.

“Isso foi acertado e a base deve estar unida em torno desse acordo. E a questão de Minas é a prioridade das prioridades dentro das negociações do PMDB. Afinal, o Estado possui a maior participação dentro da convenção. E não é só a questão do tamanho. O partido em Minas conta com uma representatividade de muita qualidade.”
Com relação ao suposto interesse do ministro Hélio Costa em ocupar a vaga de vice na chapa da ministra Dilma, o líder peemedebista garantiu que o partido nunca trabalhou com essa possibilidade. Segundo Eduardo Alves, o próprio ministro nunca manifestou qualquer movimento na direção da vaga de vice da ministra. “O ministro nunca se manifestou por essa opção. O ministro é o líder em todas as pesquisas de opinião em Minas e não há motivo para que os compromissos deixem de ser assumidos. O PMDB está firme na direção de disputar e ganhar as eleições em Minas Gerais”, garantiu o peemedebista.

Pré-candidato do PT ao Palácio da Liberdade, o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, defendeu ontem palanque único em Minas Gerais para a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata petista à Presidência da República. O posicionamento também é defendido pela cúpula do PMDB. O ministro, no entanto, entende que o cabeça da possível chapa de consenso entre os dois partidos deva ser um petista. Os peemedebistas, até agora, também não abrem mão do posto.
Em Minas, o PT tem dois postulantes à sucessão do governador Aécio Neves (PSDB). Além de Patrus, o partido trabalha com o nome do ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel. A ala ligada a Pimentel, diante da falta de consenso, acredita na formação de dois palanques: um com o candidato petista e outro com o candidato peemedebista. Já Patrus, assim como o ministro das Comunicações, Hélio Costa, nome defendido pelo PMDB, acredita num único palanque. “Trabalho com a possibilidade do palanque único, tendo o PMDB e outros partidos da base como aliados”, disse.
O entendimento em Minas entre PMDB e PT é apontado por líderes dos dois partidos como fundamental para o projeto da sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Tanto que, nas duas legendas, há quem defenda entre os interlocutores o projeto nacional acima das questões regionais. Uma parcela da cúpula petista prefere ficar de fora da disputa em Minas.

Acha melhor apoiar o ministro Hélio Costa, pois assim haveria um palanque mineiro mais sólido para Dilma. Da mesma forma, há no PMDB quem defenda o apoio ao candidato do PT. “Temos de ver Minas a partir do olhar nacional. Mas o olhar nacional também precisa enxergar os valores de Minas”, afirmou Patrus.
Por isso, várias concessões deverão ser feitas em nome desse projeto comandado por Lula. No próximo dia 19, conforme antecipou o HOJE EM DIA, o presidente Lula estará na cidade de Jenipapo de Minas (Vale do Jequitinhonha) e Juiz de Fora (Zona da Mata), ao lado da ministra Dilma. O ministro Patrus e o ex-prefeito Pimentel também participarão da visita.
Mais uma vez, os petistas estarão mobilizados para algum tipo de sinalização do presidente. Há uma expectativa de que Lula recomende o caminho do PT em Minas. “Vou ouvir o presidente Lula e o vice-presidente José Alencar (PRB). Agora, como os velhos políticos de Minas diziam, a solução é natural e ela se impõe”, lembrou o ministro Patrus.
Assim como Pimentel, Patrus também intensificará sua presença em Minas nos próximos meses. No comando de um ministério que administra um orçamento para 2010 de R$ 40 bilhões, que será investido em projetos envolvendo 60 milhões de pessoas no país, o ministro aproveitará as “beiradas do tempo” para viabilizar seu nome dentro do PT mineiro e convencer o PMDB a abrir mão da cabeça de chapa. “Quero ser governador de Minas. Mas não tenho controle desse processo. Agora, trabalho para que a escolha do nome considere a posição do projeto nacional”, ressaltou.

Fonte: Jornal Hoje em Dia

Por apoio a Dilma, PT cogita sacrificar petistas nos Estados

Disposto a consolidar ampla coligação em apoio à ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), o comando do PT fixou como estratégica a costura de alianças nos seis principais Estados do país, ainda que à custa do sacrifício dos próprios petistas.

Para viabilizar a campanha de Dilma à Presidência, o PT nem sequer descarta a hipótese de renunciar à candidatura em São Paulo –berço da sigla– em favor do lançamento do nome de Ciro Gomes (PSB-CE) ao governo do Estado.

Para Minas, prega o apoio ao peemedebista Hélio Costa, em detrimento de dois petistas: o ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Social) e o ex-prefeito Fernando Pimentel.

Hoje ministro das Comunicações, Hélio Costa, poderia ser convidado para a vice de Dilma, caso o atual governador Aécio Neves (PSDB) ocupe a vice de José Serra (PSDB) na corrida presidencial. Do contrário, a intenção da cúpula petista é lançar Hélio Costa para o governo, numa composição em que o PT concorreria ao Senado.

“Em São Paulo, o PT pode abrir mão do candidato se isso criar uma situação de expansão da aliança. Se o Ciro quiser ser candidato ao governo, se o [presidente do PMDB, Orestes] Quércia quiser, o PT pode discutir. Em Minas, seria bem mais fácil”, admitiu o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza, em consonância com Antonio Palocci e José Genoino.

“Temos que trabalhar com partidos potencialmente aliados para avaliar qual será o cenário necessário para viabilizar uma coligação grande de apoio a Dilma”, justificou o presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, para quem seria “contraditório” o rompimento do PT com o PMDB do Rio de Janeiro.

Além de São Paulo, Minas e Rio, o PT elegeu como fundamentais acordos no Paraná, no Rio Grande do Sul e na Bahia.

No Paraná, o cenário apontado como ideal é de lançamento do senador Osmar Dias (PDT) ao governo, oferecendo ao governador Roberto Requião (PMDB) vaga para o Senado.

Na Bahia, o PT investe na reaproximação do governador Jacques Wagner (PT) com o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional).

Para o Rio Grande do Sul, idealiza dois palanques para Dilma, do PMDB e do PT, mesmo que o preço seja o isolamento dos petistas no Estado.

Na sexta-feira, ao discursar no encontro da corrente CNB (Construindo o Novo Brasil), a maior do partido, o ex-ministro José Dirceu usou, segundo participantes, a expressão “enfiar a faca” para eliminação de resistência à construção de ampla aliança em torno de Dilma.

Escolhido candidato da corrente à presidência do PT, o presidente da BR, José Eduardo Dutra, foi mais brando: “O foco é a eleição de Dilma”.

O assédio a Ciro foi enfaticamente defendido durante a reunião. Nascido em Pindamonhangaba (SP) e com domicílio eleitoral no Ceará, Ciro teria de transferir o título para São Paulo. Seu nome é hoje cotado para a Presidência, mas não conta com apoio integral do PSB.

Para atrair o PSB, Berzoini defende a reedição de alianças em Pernambuco, no Ceará e no Rio Grande do Norte.

Sob o argumento de que é necessário reserva de energia para campanha de Dilma, a CNB prega a união em benefício de Dutra, seu candidato. Integrante do PT de Luta e de Massas, Vaccarezza propõe a composição também para presidente do partido. Mas a avaliação é que a disputa será inevitável

Hélio Costa (PMDB) aparece como o favorito ao governo de Minas Gerais


O peemedebista lidera em todos os cenários apresentados

Há um ano e sete meses das eleições para governador de Minas Gerais, o atual ministro das Telecomunicações, Hélio Costa (PMDB) aparece como o favorito na disputa, revela pesquisa do Datafolha. O peemedebista atinge percentuais que variam de 37% a 43%.

Foram ouvidas 1073 pessoas com 16 anos ou mais, entre os dias 16 a 19 de março de 2009, em 42 municípios no estado de Minas Gerais. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

O Datafolha apresentou quatro cenários aos entrevistados. No primeiro cenário, Hélio Costa está com 41% das intenções de voto. Em segundo lugar, aparece Patrus Ananias (PT), com 11%. Antonio Anastasia (PSDB) tem 5% e Maria da Consolação Rocha (PSOL), 4%. Votos brancos e nulos totalizam 22%, e 17% se declaram indecisos.

Numa segunda situação, com Fernando Pimentel como candidato do PT, Hélio Costa lidera com 37%,
Fernando Pimentel aparece em segundo com 24% e Antonio Anastasia e Maria da Consolação Rocha têm 4% e 3%, respectivamente. Nesse caso, votariam em branco ou anulariam o voto, 17%. Já 14% estão indecisos.

No terceiro cenário, onde se exclui a candidatura do PSDB, mais uma vez Hélio Costa está em primeiro, com 43% das intenções de voto. Patrus Ananias tem 13% e Maria da Consolação Rocha está com 5%. Votos brancos ou nulos somam 23% e 16% se declaram indecisos.

Na última situação apresentada, em que além da exclusão da candidatura do PSDB, Fernando Pimentel figura como candidato do PT, Hélio Costa está com 40%, Fernando Pimentel tem 25% e Maria da Consolação Rocha, 4%. Anulariam seu voto ou votariam em branco, 17% dos entrevistados, enquanto indecisos somam 15%.

Em todos os cenários, Hélio Costa destaca-se principalmente entre os entrevistados na faixa etária de 35 a 44 anos (percentuais variam de 47% a 54%), e em pelo menos dois cenários, tem bom desempenho também entre os que residem no interior do estado. Nesses mesmos cenários, Fernando Pimentel tem destaque entre os residentes da capital mineira (percentuais de 50% e 53%).

Na intenção de voto espontânea, aquela onde não são apresentados os nomes dos candidatos, Aécio Neves é citado por 17% da população mineira, seguido de Fernando Pimentel (5%), Hélio Costa (2%) e Antonio Anastasia (1%). Patrus Ananias e Maria da Consolação Rocha foram citados mas não atingiram 1%. Citaram outros nomes, 5%. Votos brancos e nulos totalizam 2%, e 68% não souberam dizer em quem votariam.

Políticas sociais em tempos de crise, por Patrus Ananias*

 

patrus_ananias_-_artigo

 

Aos que me perguntam sobre até quanto tempo serão necessárias as políticas sociais respondo que elas vieram para ficar.

Mesmo em sociedades mais evoluídas dos pontos de vista econômico, social, cultural e humano, há sempre uma parcela da população mais fragilizada. São pessoas, famílias e comunidades inteiras que, por circunstâncias, perderam condições de sobrevivência e precisam da ajuda do Estado.

No Brasil, só muito recentemente começamos a estruturar nossa rede de proteção e promoção social. Temos ainda um longo caminho pela frente. A ausência de política voltada para amparar os mais pobres e combater desigualdades ao longo de nossa história nos legou grande dívida social e estamos empenhando esforços para resgatá-la. Foi para isso que o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome foi criado em fevereiro de 2004, com uma estrutura voltada exclusivamente para atender os mais pobres do país. Os resultados positivos são visíveis e confirmados em estudos e pesquisas.

Para que possa responder ao resgate dessa dívida, o ministério tem de ter caráter permanente. Nossos programas podem mudar e as ações podem ser aperfeiçoadas e adequadas às demandas regionais ou a novas demandas. Porém, as políticas sociais, que agora assumem status de política pública, têm de ter continuidade. Na assistência social, precisam manter coerência com a determinação constitucional que as coloca junto com a saúde e a Previdência Social como tripé constitutivo da seguridade social.

Na segurança alimentar e nutricional, devem estar em sintonia com o princípio que define o direito à alimentação como pressuposto do direito à vida e, por isso, um direito elementar que deve ser garantido pelo Estado.

Se as políticas sociais são indispensáveis em períodos normais, tornam-se mais ainda em períodos como o que estamos vivenciando agora, com uma crise internacional gerada no cerne do sistema capitalista e que ameaça economias de países em desenvolvimento, como a do Brasil.

As políticas sociais funcionam como proteção para amenizar os efeitos da crise, protegendo os mais desvalidos ao estimular seu poder de compra, aquecendo a economia interna.

Mas, para assegurar a construção de um ministério duradouro, na perspectiva de consolidar uma rede institucionalizada de proteção e promoção social, carecemos ainda de ajustar e adequar a sua estrutura. Com atuação em todos os 5.563 municípios e no Distrito Federal, atendendo aproximadamente 68 milhões de pessoas (cerca de 37% da população brasileira), o MDS precisa de recursos que aprimorem mecanismos de gestão social para garantir eficiência e eficácia de nossas políticas. Precisamos ter nosso público-alvo bem definido, e os efeitos das políticas, monitorados por eficientes canais de avaliação e controle que gerem indicadores confiáveis que retratem nossa realidade.

Essa é a importância de dois projetos que se encontram em tramitação no Congresso: o projeto de lei nº 3.428/2008, que prevê a reestruturação administrativa do MDS com criação de 164 cargos em comissão na estrutura do ministério; e o projeto de lei da Câmara, que prevê a criação da carreira de desenvolvimento de políticas sociais, entre outras reformulações de carreira no serviço público.

O primeiro projeto encontra-se na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania para elaboração da redação final; a segunda proposta aguarda inclusão na ordem do dia do plenário do Senado Federal. A criação da carreira de desenvolvimento de políticas sociais atende à área social como um todo, mas tem um impacto direto no MDS por causa de sua especificidade e também por ser uma pasta relativamente nova e que está se organizando dentro de um processo de evolução orçamentária e consequente ampliação das atividades.

Em conjunto, esses projetos têm o objetivo de criar as condições adequadas para garantir o bom direcionamento dos recursos públicos na área social, aprimorando mecanismos de fiscalização, controle, monitoramento e avaliação. E, se definimos que é importante trabalhar com os pobres com vistas à promoção social de nossa gente, temos de ter pessoas qualificadas para esse trabalho, até mesmo para que estejam preparadas para qualificar os beneficiários de nossas políticas.

Investir na gestão dessas políticas é uma questão de coerência e, certamente, trará mais eficácia nos investimentos da área. E é justamente investimento no desenvolvimento social do nosso povo. O resultado, sabemos, retorna para a sociedade como um todo, em forma de justiça social, conduzindo a um desenvolvimento mais sustentável e seguro.

 

*Patrus Ananias é ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Foi prefeito de Belo Horizonte (1993-1996)

PMDB busca chapa única com o PT para a disputa pelo governo de Minas

A vantagem do ministro das Comunicações, Hélio Costa (PMDB), em relação aos demais pré-candidatos ao governo de Minas Gerais, mostrada pela pesquisa do Instituto Datafolha, anima o PMDB e serve de alerta ao PT, mas está longe de consolidar a posição do pemedebista como cabeça-de-chapa em 2010.

Aliados de Costa são cautelosos ao avaliar o quadro da sucessão em Minas. Eles sabem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer montar um palanque forte para a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), sua provável candidata à Presidência da República, e interessa a ele uma chapa formada por PMDB e PT.

O candidato a governador de uma eventual coligação entre as duas legendas governistas dependerá da situação nas pesquisas, mas os pemedebistas não menosprezam a força dos petistas Patrus Ananias (ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome) e Fernando Pimentel, ex-prefeito de Belo Horizonte, que estão no páreo.

A relação de Hélio Costa com Patrus é boa e são grandes as chances de entendimento em torno de uma chapa única, caso até lá o ministro do Desenvolvimento Social esteja mais forte que Pimentel no PT.

Um cenário admitido pelos pemedebistas é uma chapa encabeçada por Costa, com o PT ocupando duas vagas: a de vice e uma das duas que serão abertas para o Senado (Patrus ou Pimentel). Esse acordo ficaria mais difícil caso o ex-prefeito de Belo Horizonte vença Patrus na convenção do PT. Pimentel e Costa tiveram um afastamento político na eleição municipal de 2008, quando o então prefeito preferiu aliar-se ao governador Aécio Neves (PSDB) para lançar Márcio Lacerda (PSB), em vez de uma aliança com o PMDB.

Caso Pimentel viabilize sua candidatura, deve contar com o apoio – ao menos informal- de Aécio. Uma aliança dessa o fortaleceria muito. Nesse caso, Costa poderia não disputar. Uma possibilidade que não é descartada é que o ministro pemedebista dispute novamente o Senado, instituição da qual está licenciado.

Aécio prepara uma alternativa a Pimentel, caso o ex-prefeito não consiga viabilizar sua candidatura. A opção do governador é o vice-governador Antonio Anastasia (PSDB), que aparece com 5% no Datafolha.

Costa, que já disputou o governo duas vezes (1990 e 1994), lidera em todos os cenários apresentados pelo Datafolha, variando de 37% a 43% das intenções de voto. Quando Patrus é colocado como o candidato do PT, Costa aparece com 41% e o petista, com 11%. Anastasia, com 5%, está tecnicamente empatado com Maria da Consolação Rocha, do P-SOL, com 4%.

No cenário em que Pimentel – o mais ligado à ministra Dilma entre os pré-candidatos – aparece como o candidato do PT, a vantagem de Costa cai: fica com 37%, Pimentel com 24% e Anastasia, com 4%. Como candidato de Aécio, Anastasia teria chance de crescimento.

O resultado do Datafolha confirma pesquisas encomendadas pelo PMDB e levadas a Lula pelo próprio ministro. A expectativa dos pemedebistas é que Costa se mantenha na liderança – o que poderá credenciá-lo a formar um palanque forte para Dilma.