Índio, os ataques e a direita que baba: plebiscito de Lula ganha ares continentais

O TSE condenou um site tucano a ceder espaço a Dilma, como direito de resposta, por causa dos ataques de Índio da Costa, o vice de Serra. É uma pequena derrota jurídica para os tucanos. Mas a oposição está pouco se lixando para o site e o direito de resposta. Os ataques ganharam a mídia, criaram um clima de conflagração, tirando o consórcio demo-tucano da defensiva.

Dois dias atrás, escrevi aqui que a tática terrorista do consórcio PSDB-DEM não era movida por “desespero”. Não se trata de nada improvisado, nem de verborragia mal calculada por parte de um vice com cara de almofadinha e nome de ìndio. Não. É algo deliberado. É o desdobramento lógico da primeira fase de campanha – em que se espalharam pela internet e-mails com acusações de “terrorista” contra Dilma e se estamparam fichas falsas em primeira páginas de jornais decadentes.

Ninguém podia acreditar na história de que Índio fora aconselhado a “submergir” depois dos primeiros ataques. Tudo teatro. Tanto que ele voltou à tona (ou à lama, seria melhor dizer), agora tentando associar Dilma ao Comando Vermelho (faltou citar Al-Qaeda, ETA e Hamas; mas ele ainda chega lá).

Serra ganha eleição com esse discurso? Provavelmente, não. Mas dá o toque de reunir para a tropa. Consolida o eleitorado de direita, anti-petista. E joga tudo na possibilidade de, na reta final, gerar um escândalo (com apoio da mídia amiga, Globo sobretudo) que lhe dê sobrevida e garanta um segundo turno.

A batalha não se joga só aqui no Brasil. Alguém acha que é coincidência  o vice de Serra falar nas FARC, logo depois do presidente da SIP atacar Lula? E pouco antes de Uribe usar as FARC para atacar Hugo Chavez?

Não. A direita decidiu retomar a ofensiva na América Latina. De forma coordenada. A direita sabe que, longe do aparato do Estado, corre risco de derreter ainda mais. E sabe que a partida principal será jogada aqui no Brasil. Serra – que não é um homem originário da direita – aceitou jogar esse jogo perigosíssimo. É o jogo do Instituto Millenium, da OPUS DEI, da SIP.

Não se trata de “teoria conspiratória”. É o jogo. O tal “plebiscito” do Lula virou um plebiscito continental. O rompimento de relações entre Venezuela e Colômbia faz parte desse plebiscito.

Por isso, erra quem subestima a capacidade dessa turma de gerar fatos, e provocar escândalos. Eles estão babando.

Aquele papo de ”pós-Lula”, inaugurando tempos de moderação, foi para o vinagre. A mídia e a oposição, em caso de vitória de Dilma, ficarão ainda mais ferozes a partir de 2011. A não ser que Aécio tome o comando do PSDB, acabe com o discurso raivoso e provoque uma virada completa. Mas falta combinar com os russos: os tucanos empurram sua base cada vez mais para a direita. Depois, talvez, seja tarde pra trazer esse eleitorado para o centro.

Índio, por exemplo, mesmo derrotado, já ganhou notoriedade. Virou um lacerdinha do século XXI. Sem brilho, é verdade.  Mas isso pouca importa a essa gente – que age de forma calculada, para acirrar os ânimos e conflagar o país.

Por Rodrigo Vianna
Blog Escrevinhador

Anúncios

Campanha: oposição faz guerra suja

Por José Dirceu

Não há mais dúvidas de que a campanha do candidato da oposição a presidente, José Serra (PSDB-DEM-PPS) optou pelo caminho da baixaria pura e simples e pela guerra suja. As noticias sobre uma suposta doença de nossa candidata Dilma Rousseff (governo-PT-partidos aliados) e as declarações do deputado Índio da Costa (DEM-RJ) sobre o PT, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARCs) e o narcotráfico, apenas confirmam o que o próprio candidato ao Planalto tem praticado. Lembrem-se de suas declarações sobre o tráfico de cocaína da Bolívia para o Brasil, quando responsabilizou diretamente nosso governo e o do presidente Evo Morales, e de toda a campanha de desqualificação de nossa candidata promovida por todos – isso mesmo, por todos – os dirigentes do PSDB.

Não há mais dúvidas de que a campanha do candidato da oposição a presidente, José Serra (PSDB-DEM-PPS) optou pelo caminho da baixaria pura e simples e pela guerra suja. As noticias sobre uma suposta doença de nossa candidata Dilma Rousseff (governo-PT-partidos aliados) e as declarações do deputado Índio da Costa (DEM-RJ) sobre o PT, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARCs) e o narcotráfico, apenas confirmam o que o próprio candidato ao Planalto tem praticado.
Lembrem-se de suas declarações sobre o tráfico de cocaína da Bolivia para o Brasil, quando responsabilizou diretamente nosso governo e o do presidente Evo Morales, e de toda a campanha de desqualificação de nossa candidata promovida por todos – isso mesmo, por todos – os dirigentes do PSDB.
Não estou falando da internet, nem da espontânea e nem da organizada pelos comitês de campanha tucanos-oposição. Falo da responsabilidade do candidato Jose Serra e do PSDB. Índio da Costa apenas expressou de forma grotesca e caluniosa – à imagem e semelhança dele mesmo – o que oficialmente o candidato e seu partido tem dito e repetido todos os dias.
A imprensa não fica devendo nada aos tucanos
A VEJA é o exemplo maior dessa política suja, agressiva, grosseira e infame, mas o jornal O Globo segue o mesmo caminho da revista paulista. Praticam, na verdade, a violência – um novo tipo de violência e de medida de força, já que exercem o monopólio da comunicação como o Estado no passado, durante a ditadura, exercia o da violência e da repressão.
Mas, o Brasil não acaba com as eleições de outubro. Pelo contrário, recomeça com um novo governo seja do PT ou do PSDB – esta uma hipótese remota. Assim sendo seria razoável, seria não pedir muito, que tanto o candidato tucano a presidente quanto a imprensa mudassem de comportamento, já que teremos que conviver nos próximos quatro anos e o governo eleito será legitimo e democrático, fruto da soberania popular.
A não ser que estejam tomando o rumo de tentar mudar a decisão soberana do povo através de um golpe que hoje, como todos sabemos, começa via midia. Como temos visto em todos os países, começa por um golpe midiático, um misto de desestabilização política e psicossocial dos governos, com sua desmoralização e imobilização até que um golpe parlamentar ou externo derruba o governo.
Se ocorresse, sem dúvida nenhuma seria derrotado no Brasil, mas levaria o país a caminhos já trilhados e aos quais não queremos voltar. Tenho certeza que a maioria esmagadora do Brasil repudia a campanha infame e caluniosa do PSDB e que seu candidato a presidente sabe que não ganhará nada com essa opção. Pelo contrário, só transformará sua derrota eleitoral numa derrota política e moral.