FALTAM EXTRAS EM HOLLYWOOD

A criação de uma CPI para investigar as ações da PETROBRAS é típico procedimento de tucanos diante da perspectiva de uma disputa eleitoral em 2010, na qual estarão em jogo além da presidência da República, os governos estaduais de todo o País, dois terços das vagas do Senado Federal, a totalidade da Câmara dos Deputados e das assembléias legislativas.

Tucanos são como esses alienígenas de filmes de terror e ficção, que sugam o sangue dos mortais comuns e “realiza” os lucros em fortunas nos bancos e negócios que caracterizaram o governo FHC.

Por que não uma CPI das privatizações? Saber como foram feitas ou como o governo de Fernando Henrique conduziu o processo?

Numa democracia, em tese, o que essa gente chama de povo, deve, também em tese, ter conhecimento das ações de governo e participação no processo de construção do Brasil.

O desprezo e o asco que FHC revelava e revela por pessoas comuns são repugnantes. É só olhar o seu programa de candidato em 1998, os tais cinco dedos e perceber que na prática, quando presidente, cinco dedos era dez para a rapinagem do tucanato e entrega do patrimônio público.

Não tem diferença nenhuma de José Serra e muito menos de um tresloucado como Aécio Neves, incapaz de dar dois passos e falar alguma coisa conseqüente, exceto nos momentos de lucidez que são cada vez menores.

“Piirlimpimpim” não deixa. O dele não tem nada a ver como o de Monteiro Lobato. Habla outra língua.

É essa gente que governar o Brasil.

CPI da PETROBRAS num momento de crise internacional de suma gravidade, em que a empresa apresenta um desempenho acima da média, dispõe de um quadro de extraordinários servidores e na perspectiva do pré-sal, tudo depois do decreto de FHC que acabou com o monopólio estatal do petróleo, tem um único objetivo.

Jogo de cena para as eleições de 2010 e preparativos para entrega definitiva, privatização, da empresa caso a quadrilha tucana vença as eleições.

Aqueles antigos faroestes em que a cavalaria norte-americana atacava os índios e prometia mundos e fundos se deixassem suas terras e fossem para as reservas onde morreriam de fome, frio e doenças, na tal ordem natural do progresso da “grande nação”, volta e meia envolviam batalhas em campo aberto com mais de três mil índios e no máximo 500 soldados do general Custer – para mostrar a valentia dos guerreiros norte-americanos -. Dizia-se que nesses momentos faltavam extras em Hollywood, paravam todos os outros filmes até que o general Custer eliminasse os índios.

Nesse jogo tucano o cidadão comum brasileiro é o extra. Mas não falta. Some na esteira de uma mídia perversa e podre que vende a idéia que é preciso moralizar por moralizar, o estilo udenista, enquanto preparam as reservas semelhantes àqueles onde americanos abrigavam sioux, chyennes e outros, depois da farsa eleitoral. Serra com pose de sério – o que nunca foi – e Aécio aparentando ser um sujeito equilibrado, o que definitivamente não é.

Ao contrário dos estúdios de Hollywood que saiam contratando extras para o papel de índio e treinavam os caras para morrer ao primeiro estampido dos rifles das tropas de Custer – muitos dos extras criavam um estilo pessoal de morrer ao serem “atingidos” na esperança do diretor perceber e imaginar que ali estivesse um Marlon Brando em potencial – os tucanos ludibriam os extras via GLOBO, FOLHA DE SÃO PAULO, VEJA, ESTADO DE SÃO PAULO, a mídia regional, cada qual cumprindo sua parte dentro do amplo espectro de extras.

Os que querem morrer de forma diferente imaginando uma grande chance, os que morrem resignados e se plantam diante do BBB com o celular à mão para decidir, imaginando que decidem alguma coisa, quem vai ser eliminado.

Daí a aceitar e adorar Pedro Bial e seus heróis, William Bonner e suas mentiras, no histerismo econômico da vetusta anciã Miriam Leitão, ou seguir os passos da setentona Susana Vieira ao lado da cobaia – para plásticas – Ana Maria Braga, é um passo mínimo.

Ou achar que FOLHA DE SÃO PAULO é um jornal que por ser capaz de explicar tudo por infográfico, mostra e fala a verdade.

É a “verdade” deles, FIESP/DASLU.

Por que não uma CPI sobre o caso da entrega da VALE? Ou dos desmandos do governo Serra em São Paulo? As questões relativas à segurança pública, obras públicas, saúde pública, educação pública?

Ou sobre as “viagens interplanetárias” do governador de Minas, que nem em Minas mora e ainda de quebra é parceiro de Gérson Camata em cavernas úmidas, hoje abertas à visitação geral, e com algumas teias de aranhas venenosas e morcegos perigosos?

A PETROBRAS malgrado os governos sucessivos e empenhados no processo de entrega do petróleo brasileiro, é um exemplo da capacidade do povo brasileiro de dar uma cara brasileira ao País, como era a VALE, antes de um presidente corrupto e venal como FHC doar a um grupo de bandidos/empresários internacionais.

Tucanos são assim em qualquer lugar. Espécie de praga devastadora. Seja no governador Serra, seja no “governador” Aécio Neves, na governadora Yeda Crusius, no deputado fulano, ou beltrano, o senador Artur Virgílio ou até num simples prefeito banana, corrupto e venal como o da cidade mineira de Juiz de Fora, Custódio Matos, o homem que buscava a mala do mensalão do banana, corrupto e venal Eduardo Azeredo.

Os crimes que cometem contra o Brasil e os brasileiros podem ser sintetizados na forma de ser de Fernando Henrique Cardoso, o principal gangster do grupo. Arrogante, por isso repugnante. Desumano, por isso não reconhece o filho com a jornalista Miriam Dutra e compra o silêncio com o dinheiro público como o fez. Corrupto, venal no processo de entrega/doação do patrimônio público e com pretensões a faraó com direito a pirâmide e outras coisas mais, naquilo que o jornalista Millôr Fernandes definiu com perfeição – “FHC pensa que é superlativo de PhD”.

É só um bandido sem caráter ou entranhas a guiar todo esse processo do alto de seu trono. O alvo da CPI? Preparar o caminho para o caso de vencendo as eleições chegar aos brasileiros e dizer que a PETROBRAS é um incômodo e deve ser entregue aos donos do mundo.

É assim que agem.

Os extras aqui, o povo, só é chamado para depositar o voto nas urnas criadas por Jobim e sujeitas a fraudes absolutas – não dá para recontar se necessidade houver – e depois pagar as contas.

Não adiante nem querer morrer de jeito especial tentando chamar a atenção do diretor. É um clube fechado. Para entrar ali é preciso no mínimo ter vendido a mãe antes e exibir o comprovante.

Tucano é isso – não há exceção -. Nem nos que ainda estão por nascer.

Exagero? Um servidor da Prefeitura de Juiz de Fora permaneceu internado num hospital da cidade em estado de coma durante vários dias. Para sobreviver, entre outros procedimentos foi submetido a uma traqueotomia. Dias depois, liberado pelos médicos e com um laudo indicando a necessidade de aposentadoria, foi intimado a apresentar-se no trabalho e assumir suas funções caso contrário seria demitido. O laudo foi recusado e segundo a corrupta e venal secretária Suely Reis, são medidas para equilibrar as contas e poupar despesas desnecessárias. A despesa necessária para ela deve ser a vida humana.

É só multiplicar esse tipo de monstro devorador de dinheiro público pelo número de tucanos no Brasil inteiro e imaginar o que querem com a CPI da PETROBRAS.

Querem passar a escritura definitiva do Brasil.

Anúncios

O LABIRINTO DE AÉCIO – O MINOTAURO JOSÉ SERRA

Quando Pedro Encerrabodes de Oliveira, neto de dona Benta e personagem fascinante de Monteiro Lobato entrou no labirinto do Minotauro na Grécia Antiga, por conta pirlimpimpim que o genial escritor criou, foi deixando um caminho de volta em forma de linha. Carregava um carretel em um dos bolsos para emergência e esperava encontrar um monstro capaz de devorar a mais forte das criaturas, até Hércules se fosse o caso.

Pedro Encerrabodes de Oliveira foi buscar Tia Nastácia, prisioneira do Minotauro. Quando chegou ao centro do tal labirinto encontrou um monstro gordo, pachorrento e rendido aos bolinhos da cozinheira mágica da turma do Sítio do Picapau Amarelo.

Não foi a primeira vez que Tia Anastácia encantara alguém para além dos limites do sítio com seus bolinhos. Na viagem que a turma fez ao céu São Jorge e o dragão renderam-se aos encantos do quitute.

Monteiro Lobato foi uma dessas figuras notáveis da história contemporânea do Brasil. Cismou que aqui tinha petróleo quando um relatório do governo dos EUA dizia que no Brasil era impossível existir petróleo. Por conta de sua luta acabou vivendo um período exílio e nessas idas e vindas incompreensíveis da política brasileira acabou suplente de deputado do antigo Partido Comunista Brasileiro na Constituinte de 1946. Não conseguiu ser eleito.  E olha que naquele tempo não tinha “Caravana da Cidadania” com Pedro Bial e seus heróis ou a Cuca, hoje travestida de Miriam Leitão.

Um dos mais belos livros de literatura infantil em todos os tempos continua sendo “O poço do Visconde”. Um sabugo de milho transformado em gente, em cientista que desafia os poderosos dos EUA e acha petróleo no sítio. O primeiro poço de petróleo encontrado no Brasil tem o nome de Lobato, hoje me parece que cidade.

O pó de pirlimpimpim que Monteiro Lobato criou foi uma invenção da cabeça da boneca Emília. Uma boneca de trapos, feita por Tia Nastácia para a sobrinha Narizinho, princesa do Reino Escamado. Foi lá que Emília engoliu umas pílulas que a permitiram falar e falar sem parar.

O pirlimpimpim de Monteiro Lobato não tem nada a ver com o pó de Aécio. São pós distintos.

E muito menos o pó de arroz símbolo da torcida do Fluminense Football Club.

A convivência de Aécio com Itamar Franco deve tê-lo deixado mais para Eduardo Azeredo que para Tancredo Neves, até porque Itamar é produto de Tancredo (gerado em 1966) e Tancredo não tinha a menor simpatia pelo ex-presidente (vá lá). Ao contrário, em 1984 deu-lhe um gelo quando da campanha que o levou à presidência e acabou matando-o antes da posse.

Ao que parece o governador de Minas, que mora no Rio e viaja por galáxias insondáveis, inalcançáveis aos mortais comuns, foi cooptado pelo governador de São Paulo e vai terminar seus dias como ajudante do vampiro brasileiro. Personagem de Chico Anísio. Um vampiro que fazia tudo atrapalhado com um ajudante não menos idiota.

É o que diz a imprensa. É o que diz a mídia. Nesse caso complicado não há como duvidar, afinal da mídia é deles, são eles que controlam a mídia. E a não ser que seja balão de ensaio da mídia FIESP/DASLU, Aécio termina seus dias como vice-presidente de José Serra.

Para atrair o governador de Minas o de São Paulo deve ter espalhado o seu pó mágico em todo o seu labirinto, indicando ao mineiro que mora no Rio o caminho para o palácio do vice. Serra no trono e Aécio no banquinho lá atrás. Representa o eventual futuro presidente em festas de aniversário, batizado, etc, etc.

Deve conseguir emplacar um ou outro emprego para sua corte de eunucos padrão Marcus Pestana, Anastasia, o “conde” Arcuri e vai por aí afora.

Aécio passou por perto, sentiu o cheiro, caiu de quatro e chegou ao centro do labirinto. Lá o Minotauro Serra deve ter servido produtos originários da Colômbia e do Afeganistão, todos da mais alta pureza e aí, o resto foi fácil.

Já o Brasil.

O Brasil se lasca.

A FOLHA DE SÃO PAULO vai virar Diário Oficial da União oficial, já que neste momento pretende ser essa chancela de oficialidade. O Palácio FIESP/DASLU fica sob os cuidados da filha de Alckimin. É que a moça, simples balconista e por vocação, virou diretora do negócio diante da impossibilidade de dona Troncoso metida em negócios de sonegação.

Para levar Alckimin ao labirinto e lá aprisioná-lo bastaram 400 vestidos para a senhora do ex-governador. Em tese para doar aos pobres, mas por via das dúvidas, no guarda roupa da elegante dama.

No Olimpo, aí muda de figura, FHC. Deve ter enrolado Zeus com suas histórias e sua verborragia e naturalmente está desfrutando de Vênus/Afrodite.

Desde a notícia que Aécio foi capturado pelo governador de São Paulo José Serra, mistura de Minotauro com Vampiro Brasileiro – mas que vende o País como FHC vendeu – o mineiro não tem sido visto e  não faz muito tempo, por pouco não foi recolhido pelo caminhão do lixo na Lapa.

Os encarregados da limpeza perceberam a tempo que tinha aparência de gente apesar do estado. Foi removido por acólitos, ajudados por transeuntes que por lá passavam ou passeavam.

Virou banana nanica. Cozida em banho Maria com e digerida com canela e “açúcar”. Daquele branquinho refinado.

É essa dupla Minotauro e Bananinha que quer governar o Brasil. Pode ser também o Vampiro Brasileiro e seu ajudante trapalhão.

A mesma que de saída, se eleitos, privatizam a PETROBRAS e entregam o pré-sal, como entregaram a VALE, a EMBRAER, o setor de telefonia, de energia, privatizaram a educação sucateando as universidades públicas, montaram grandes negócios na saúde, essa gente assim que adora Londres e só faz curso de administração em Harvard ou em Birminghan.

Como dizia Jânio Quadros, um deles, mas bem mais esperto, “FHC nem sabe onde fica Sapopemba”.  Continua sem saber.

15 Anos sem Kurt Cobain

KurtCobain

Este fim de semana marca 15 anos da morte do vocalista e guitarrista do Nirvana, Kurt Cobain, que se suicidou em 5 de abril de 1994 com um tiro na boca após tomar uma overdose de heroína em sua casa em Seattle, nos EUA. O corpo foi achado três dias depois. Cobain é considerado o ícone do grunge, movimento de rock alternativo vindo do noroeste dos EUA que marcou a música no começo dos anos 1990.

Sua morte encerrou a trajetória meteórica da banda, que apareceu para os holofotes com o segundo disco, Nevermind, de 1991. O álbum traz "Smells Like Teen Spirit", considerado por muitos o hit de toda uma geração, mas também uma música cuja popularidade atormentou Kurt. A ponto da banda se negar a tocá-la em alguns shows, como no Hollywood Rock em São Paulo, em 1993.

Além de Nevermind, o Nirvana lançou outros três álbuns de estúdio: Bleach, ainda pela Sub Pop – tida como ‘o selo do grunge’ – em 1989, e In Utero, de 1993. Entre outras bandas do movimento, também se destacam o Mudhoney, o Soundgarden, o Alice in Chains e o Pearl Jam.

Lembrando os 15 anos da morte de Kurt, o jornalista americano Greg Prato lança neste mês o livro ‘Grunge is Dead" (O grunge morreu). Um filme, adaptado da biografia oficial ‘mais pesado do que o céu’, está em produção.

Os outros músicos do Nirvana trilharam caminhos distintos após a morte de Kurt. O baterista Dave Ghrol largou as baquetas e se tornou vocalista de um novo grupo, o Foo Fighters. O baixista Kirst Novoselic perambulou por alguns projetos musicais, e hoje escreve sobre música e política em um jornal de Seattle.

Obama conquista jovens na França ao admitir arrogância dos EUA

Barack Obama Capitol

Estrasburgo (França), 3 abr (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conquistou hoje um público de três mil pessoas que o aplaudiu com entusiasmo especial quando admitiu, com pesar, que, "às vezes, a América se mostrou arrogante e diminuiu, e até mesmo ridicularizou", seus aliados europeus.
Em uma reunião na qual se submeteu a perguntas dos cidadãos, Obama também reagiu com entusiasmo quando falou sobre o fechamento de Guantánamo, a prisão americana em território cubano para detentos suspeitos de terrorismo internacional.

Em um clima relaxado, os presentes, em sua maioria estudantes alemães e franceses, explodiram em gritos e aplausos quando Obama e sua mulher, Michelle apareceram no pavilhão esportivo.
A primeira-dama cumprimentou os jovens no palco e depois passou a ouvir atentamente seu marido na primeira fila.
O presidente primeiro fez um discurso de meia hora no qual estabeleceu como meta um mundo sem armas nucleares, e assegurou que os Estados Unidos e a Europa enfrentarão, com sucesso, os desafios do século XXI sempre que estiverem juntos.

Depois, dedicou 30 minutos a responder a perguntas do público sobre o legado que sua Presidência quer deixar, o que espera dos europeus na "guerra contra o terror", se alguma vez se arrependeu de concorrer à Presidência e, em um tom mais pessoal e leve, o processo de escolha de um cachorro para a Casa Blanca.
Sobre seu legado, insistiu na esperança de um panorama mais pacífico e ecológico; aos europeus, pediu mais esforço no Afeganistão; admitiu que sente saudades da privacidade que tinha antes e, por último, assegurou que, "em breve", se resolverá a dúvida sobre o animal de estimação que prometeu às filhas.

O presidente Obama e a nova Ordem Mundial

Passados alguns meses da pose do presidente Barak Obama, o mundo pergunta se esta em andamento uma nova ordem mundial. Após quase uma década de governo Bush, na qual foi pautado pela caça aos terroristas, sobretudo após o dia 11 de setembro. Pelo menos nas mensagens que a sua assessoria de imprensa vem distribuindo ao mundo principalmente a mais recente delas que foi direcionado ao IRA, o presidente America acessa com a mão aberta estendida em detrimento da mão fechada do seu antecessor. Em um recente encontro de Barak Obama e o presidente Lula, podemos considerar que algo esta mudado. Resta saber até quando o presidente americano vai suportar toda a pressão que inclusive vêm de seu próprio governo para novamente colocar os EUA como senhores supremos, com direitos e poderes ilimitados ao ponto de aniquilar povos e raças.

Obama e a beleza interior

O futuro chegou. Um presidente negro nos Estados Unidos dá passos para restaurar o profissionalismo na Casa Branca – é o que anunciam os periódicos americanos ao ver o staff de Obama. Ele indicou para vários cargos pessoas da Era Clinton, antes profissionais tidos como competentes que simples políticos aliados. Vai dar certo? Não sabemos, mas sabemos que os passos até agora estão na direção correta. Ele tem muito a favor, pode dar certo.Tudo indica que o século XXI poderá ser mais um “século americano”. Obama tomará posse sob a expectativa do mundo. A cobertura da CNN é clara: toma posse o imperador da Nova Roma. A China e outros países populosos sofrem com a recessão americana, e mostram que não estavam preparados para assumir a hegemonia do mundo. Quando Roma não consome, os que diziam que iriam assaltar o futuro se mostram incapazes de oferecer alternativas, e até podem voltar a comer escorpião – ou quase! Obama promete tirar todos da crise. O centro do Império e as províncias. Ele é o primeiro americano hifenado (John Dewey dizia que o ítalo-americano, o afro-americano etc. eram os americanos típicos), isto é, o verdadeiro americano, que chega à presidência toma o comando do mundo. Seu hífen poderá fazê-lo pensar com uma cabeça mais cosmopolita que outros presidentes.

Ao mesmo tempo, nasce a primeira criança que não será vítima de câncer. Os jornais anunciaram na semana passada. Fruto de engenharia genética ela realiza o sonho que, no cinema, apareceu muitas vezes antes como terror que como conquista benéfica. Gattaca foi o filme que mostrou essa transição: alguns seriam geneticamente superiores. Uma raça de super homens, de modo antes natural que por qualquer praga jogada por Hitler.

Assim, enquanto o preconceito de cor que, enfim, queria nos impôr uma falsa desigualdade, começa a cair para valer, surge a diferença de genes, e esta não será uma falsa desigualdade. Logo seremos desiguais não por uns passarem fome na infância e outros não; seremos desiguais por uns serem geneticamente programados para vencer e outros não. Não vamos construir Gattaca, certamente (filme de Andrew Niccol, 1997, com Uma Thurman) . Pois Gattaca é uma caricatura. Mas vamos construir algo que pode ser pior, ou tão cruel quanto.

A democracia étnica vence com Obama. A democracia genética perde no momento em que vence a ciência, que promete a todos um futuro melhor. Mas não vamos renunciar à ciência – é claro! Não somos malucos. Para que possamos dar realmente o pulo prometido pela ciência precisamos, então, continuar a batalha democrática. A questão da democracia racial deverá ser substituída pela democracia genética. Teremos de criar situações para que os filhos dos pobres, no mundo todo, também possam nascer sob as condições que vão ser oferecidas aos filhos dos ricos para obter a melhoria genética. E não digo mais condições outras que não as condições genéticas. Vamos ter de criar um gigantesco serviço social de busca de melhorias genéticas para todos. Será um grande engodo irônico e terrível se viermos a terminar a primeira metade desse século com uma população adulta imune geneticamente a muitas doenças, por nascimento, enquanto que uma outra parte da população esteja condenada a ter doenças que os ricos terão esquecido de uma vez por todas – sem vacina.

Sendo assim, o Welfare State que Obama quer reconstruir para os Estados Unidos deverá ser capaz de fazer algo muito mais difícil do que todos os outros Estados de Bem Estar prometidos ao longo da história. Terá de ser capaz de dar condições a todo o Império, ou seja, ao mundo todo, salvo alguns poucos bárbaros renitentes (Bin Laden e sua turma?), a condição de gerar filhos imunes ao câncer e outras coisas que irão ser coibidas geneticamente. Logo logo, também, tudo isso não será mais negativo. Além de imunes a doenças, as crianças poderão ser programadas para a genealidade. É horrível imaginar que a melhoria de vida de cada um no mundo, do ponto de vista da estrutura corporal, não virá acompanhada do direito da maioria de gerar filhos nas condições genéticas dos mais afortunados.

O mundo de Obama não será a luta pela igualdade da cor, do que vai “fora” do corpo, mas do que vai “dentro”. Quando nossos pais assistiam Flash Gordon, eles imaginaram isso? Não! Nem nós, ao vermos Jornada nas Estrelas, levávamos a sério essas coisas. Mas eles chegaram. Não tínhamos pensado nisso seriamente, tínhamos? Não tínhamos pensado para valer que o futuro chegaria.

Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo

O Filósofo da Cidade de São Paulo

Protestos e iniciativas beneficentes marcam início de convenção

Do lado de fora, fortes protestos contra a guerra do Iraque e enfrentamentos entre ativistas e policiais. Dentro, um evento beneficente protagonizado pela atual primeira-dama dos Estados Unidos, Laura Bush, e por aquela que espera se tornar a próxima, Cindy McCain.

Assim foi o primeiro dia da Convenção Nacional Republicana, que teve início nesta segunda-feira na cidade de Saint Paul, no Estado de Minnesota.

Por conta do furacão Gustav, que atingiu o Golfo do México nesta segunda-feira, os republicanos decidiram mudar o tom de sua convenção, que assumiu um ar solene e contou com uma cerimônia curta, de pouco mais de duas horas.

Enquanto seu marido visitava a região do Texas que está abrigando aqueles que tiveram de ser retirados das áreas afetadas pelo furacão, Laura Bush discursava na convenção: ”Nossa primeira prioridade é garantir a segurança e o bem estar dos moradores da região do Golfo.”

Há três anos, o presidente Bush enfrentou severas críticas pela forma como lidou com o Katrina, um furacão que atingiu a mesma região assolada pelo Gustav.

Laura Bush comentou que os governadores dos principais Estados atingidos pelo furacão, Texas, Mississippi, Alabama e Flórida ”são, por acaso, republicanos, mas cancelaram suas participações previstas para a convenção em Saint Paul”.

Cindy McCain aproveitou para lembrar os supostos ideais nobres de seu marido, o virutal candidato republicano John McCain. Segundo Cindy, ele ”tem dito nos últimos dias que é hora de tirarmos os nossos chapéus republicanos e colocarmos os nossos chapéus americanos”.

Ela pediu que americanos fizessem doações em um website criado pela campanha de McCain.

Protestos

Paralelamente à convenção, pelo menos 10 mil pessoas protestavam do lado de fora contra a guerra do Iraque.

Policiais usaram bombas de gás lacrimogêneo e spray de pimenta contra alguns manifestantes. A reportagem da BBC Brasil viu pelo menos dez ativistas serem presos.

Alguns manifestantes mais radicais quebraram vidraças de lojas e de viaturas policiais durante a manifestação.

Outro incidente que por pouco não desviou as atenções da convenção foi o anúncio de que a filha adolescente da candidata a vice-presidente na chapa de McCain, Sarah Palin, está grávida.

O anúnico poderia, em tese, afetar a campanha do republicano, visto que Palin, da ala mais à direita do partido, é contra o sexo antes do casamento e radicalmente contra o aborto. Mas os representantes do partido pareceram encarar o fato como natural.

Indefinição

A indefinição em relação à programação do evento deve prevalecer por mais uma dia.

Até o final do primeiro dia da convenção, muitos delegados ainda não sabiam a programação do evento para a terça-feira.

Mas eles diziam que a agenda definitiva do encontro só deve ser definida quando se tiver um retrato detalhado dos estragos causados pelo Gustav.