Estudantes iniciam atividades do Parlamento Jovem BH 2010

Cerca de 100 estudantes de escolas públicas e particulares participaram na tarde dessa terça-feira (23), na PUC Minas Campus Coração Eucarístico, em Belo Horizonte, da aula inaugural do Parlamento Jovem BH 2010. O objetivo é promover entre os estudantes de escolas públicas e particulares do ensino médio, formação política para reflexão do papel do cidadão no contexto do parlamento.

A palestra de abertura contou com a participação do coordenador Especial da Juventude da Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude, Roberto Tross, que falou aos jovens sobre políticas públicas de juventude. “A lógica das políticas voltadas ao público juvenil é a da inclusão. É um processo que se constrói junto, estamos aqui hoje para compartilhar ideias e apresentar propostas”, afirmou.

O estudante do Ensino Médio do Colégio Padre Eustáquio, Leonardo Rodrigo Crincoli, disse que o incentivo de outros alunos que participaram da formação no ano anterior despertou seu interesse em conhecer o universo da política. “A gente sempre fica de fora da política e por isso achei legal a oportunidade de aprender como funciona uma Câmara Municipal, de como se cria as leis”, contou o jovem.

Já a aluna do Instituto Sagrada Família, Bruna Reis, que também cursa o ensino médio, acredita que o projeto fará com que ela se torne uma pessoa mais consciente. “Conhecendo melhor sobre o assunto, vou poder votar de forma mais consciente e contribuir nas decisões políticas da minha cidade, do meu estado e do meu país. O Parlamento Jovem com certeza vai me tornar uma pessoa melhor”, destacou.

A professora do curso Ciências Sociais da Puc e integrante da equipe de coordenação do Parlamento Jovem, Dôra Cardoso, explica que o produto final será a elaboração de 27 propostas, que serão encaminhadas à Câmara, com destaque de prioridade, para serem votadas pelos vereadores . “É um processo de formação política e exercício da cidadania”, explicou a professora.

A estudante Bruna Pereira, da Escola Estadual Leopoldo de Miranda, participa pelo segundo ano consecutivo do projeto e diz que sua visão sobre política mudou depois da capacitação. “Agora me interesso mais pelo assunto. Leio jornais e revistas e até assisto canais de televisão que tratam exclusivamente de política. Minha geração tem informação sobre política, mas falta interesse. O parlamento é uma boa maneira de levar a política até o jovem.”

O programa Parlamento Jovem, que neste ano trabalhará com o tema Resíduos e Meio Ambiente, será executado por meio da parceria entre a Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude, através da Coordenadoria Especial da Juventude, a Escola do Legislativo da Câmara Municipal da capital e a Puc Minas. Participam desta etapa alunos das escolas Estadual Leopoldo de Miranda, do bairro Santo Antônio, Municipal Geraldo Teixeira da Costa, do bairro Rio Branco, Colégio Padre Eustáquio, do Padre Eustáquio, e Instituto Sagrada Família, do Caiçara.

A Sessão na Câmara Municipal de Belo Horizonte, no dia 29 de junho, com a votação das propostas elencadas pelos jovens encerra as atividades do Parlamento Jovem BH 2010.


Agência Minas Gerais de Notícias

QUEM É MÁRCIO LACERDA?

A matéria abaixo foi publicada no NovoJornal (www.novojornal.com.br). Curiosamente, dois dias depois, o Ministério Público, por solicitação de Aécio Neves (prá variar), resolveu tirar o site do ar.
Acho que vale a pena ler e REPASSAR A TODOS!!!
Não podemos deixar esse bandido na prefeitura de BH!
Se Márcio Lacerda tem a TV, nós temos a internet!!!

Com a aprovação de seu nome como candidato do PSB, em aliança com o PT, para a sucessão municipal em Belo Horizonte, começa a vir à tona denúncia envolvendo o atual secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Marcio Lacerda (PSB).

Segundo uma das denúncias, o crescimento patrimonial de Marcio Lacerda ocorreu quando o mesmo comandava as empresas de telecomunicações Construtel e Batik, de sua propriedade, nos anos 80 e 90.

Neste período, seu principal contato era Roberto Lamoglia, que esteve na direção da Telemig, posteriormente, na da Telebrás.

À época, a Telemig esteve entregue a Saulo Coelho.

A Polícia Federal abriu, no período, inquéritos para apurar irregularidades que envolvia diversos personagens do PSDB e outros que migraram para o PTB.

A Construtel chegou a faturar em 1998 US$ 255 milhões. Com a privatização das empresas do setor de telefonia, os negócios de Marcio Lacerda começaram a cair.

Os lucros despencaram abruptamente. Em 2004, o faturamento da Construtel foi de R$ 2,4 milhões. Logo depois, ele vendeu a Batik e desativou a Construtel.

A correspondência encaminhada ao Novojornal, acompanhada de documentação, comprova o superfaturamento no fornecimento das centrais telefônicas de suas empresas à Telemig e à Telebrás, demonstrando ainda que Marcio Lacerda dividia parte dos “lucros” com o então diretor das estatais, Roberto Lamoglia.

A documentação é extensa e envolve outros políticos e ex-políticos mineiros do PSDB, PTB e PP. As informações são tão graves que antes de divulgar o nome dos envolvidos Novojornal decidiu por solicitar pareceres e certidões.

O esquema montado por Marcio Lacerda chegou, inclusive, a ser questionado pelo Tribunal de Contas da União e por entidades representativas dos setores patronal e sindical.

Subscritores da denúncia, à época, e atuais integrantes do grupo que encaminhou a documentação para o Novojornal alegam que o fazem na defesa do patrimônio público, acrescentando: “Lacerda, naquela época, não ocupava nenhum cargo público. No entanto, conseguiu se enriquecer fazendo negociatas com empresas públicas. Imaginem este senhor no cargo de prefeito de Belo Horizonte! Não vai sobrar para ninguém.”

Doações

Preferido do governador tucano de Minas Gerais e do prefeito de BH, Fernando Pimentel (PT), para ser candidato da pretendida aliança eleitoral PSDB-PT na capital mineira, Marcio Lacerda doou para campanhas eleitorais o valor de R$ 1,15 milhão em 2002.

As doações foram feitas em nome de Marcio Lacerda (R$ 750 mil) e da Construtel Projetos e Construções (R$ 400 mil).

Em 2002, o generoso Marcio Lacerda doou a Ciro Gomes, candidato a presidente pelo PPS, a quantia de R$ 950 mil – 82% do total arrecadado.

Não por outro motivo, ele foi escolhido por Ciro para ocupar o cargo de secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional.

O segundo maior beneficiado, com R$ 100 mil, foi o presidente do PPS, Roberto Freire (PE), candidato a deputado federal naquela ocasião.

Também receberam doações os candidatos a deputado federal pelo PPS-MG, Juarez Amorim, atual diretor da Copasa, e Ronaldo Gontijo, R$ 20 mil cada um, além de Sérgio Miranda, R$ 10 mil.

O candidato a deputado estadual pelo PT-MT Gilney Amorim Viana recebeu R$ 50 mil.

Mensaleiro

Em 2005, Lacerda deixou o Ministério da Integração Nacional após seu nome aparecer como suposto beneficiário de R$ 457 mil do esquema do mensalão.

De acordo com o publicitário Marcos Valério, o dinheiro teria sido pago em duas parcelas, em 2003.

Na ocasião, o então secretário-executivo da Integração Nacional confirmou três encontros com o publicitário.

Valério registra um primeiro pagamento a Lacerda, no valor de R$ 300 mil, em 16 de abril de 2003. O segundo pagamento, de R$ 157 mil, teria sido feito dois meses depois, em 17 de junho.

Em abril de 2007, Lacerda aceitou o convite do governador mineiro para ser secretário. Cinco meses depois, ele foi filiado ao PSB pelo tucano, que já pensava em um nome de um partido neutro para uma aliança PSDB-PT.

O deputado federal e presidenciável Ciro Gomes (PSB-CE) é um dos que trabalha pela aliança.

Candidatos firmam pacto para o segundo turno

Três candidatos a prefeito de BH – Leonardo Quintão (PMDB/PHS), Jô Moraes (PCdoB/PRB) e Sérgio Miranda (PDT/PCB) – acertaram um pacto para um eventual segundo turno. Dos três, quem for para o segundo turno, terá o apoio dos outros dois, seja qual for o adversário a ser enfrentado.


Leonardo Quintão revelou o pacto após visita ao Conselho Regional de Administração (CRA-MG), onde é um dos 23 mil registrados em Belo Horizonte. Ele antecipou que, indo para o segundo turno, terá o apoio dos dissidentes do PT, até mesmo dos ministros Patrus Ananias e Luiz Dulci (Secretaria Geral da Presidência). Ele deixou claro que o pacto foi feito para enfrentar o candidato do PSB/PT, Marcio Lacerda, que, acredita, estará no segundo turno. «Eu não votarei nele em nenhuma hipótese», confessou o peemedebista.

Jô confirmou o entendimento e disse que ele poderá ser ampliado. «Vamos conversar com todos os outros candidatos, menos Marcio Lacerda (PSB), que tem o apoio do governador Aécio Neves e do prefeito Fernando Pimentel», disse ela.
Quintão diz ter grande simpatia por Patrus e Dulci. «Vamos nos unir no segundo turno e ganhar a eleição vencendo a força do poder econômico com a força do povo», afirmou Quintão. O presidente do CRA, Gilmar Camargo de Almeida, participou da entrevista e disse que tem ouvido dos mineiros mais politizados que a eleição em Belo Horizonte resgatou «a volta do coronelismo político». «Isto é um retrocesso e parece curral eleitoral».

Quintão revelou que, apesar das pressões inibindo as doações para as campanhas, vai fechar agosto com saldo positivo. Segundo ele, as empresas que prestam serviços para o estado e a prefeitura teriam sido proibidas de financiar outras candidaturas a não ser a de Marcio Lacerda. Ele confessou que, mesmo assim, já recebeu doações de algumas empresas. Durante a visita, Quintão anunciou que, sendo eleito, vai criar a Escola de Governo para formar administradores públicos e melhorar a qualidade dos serviços da prefeitura, acabando com a burocracia. O candidato do DEM, deputado Gustavo Valadares, gravou programas eleitorais e fez campanha nos bairros São Bernardo, Aeroporto e Ouro Preto, na Região da Pampulha. O candidato reservou o horário de almoço para realizar mais um comício itinerante. Percorreu, na região da Pampulha, entre os bairros Ouro Preto e Castelo, diversas vias públicas levando sua mensagem e nome para as eleições deste ano.

Fonte: Jornal Hoje em Dia